Inovação: produtos cosméticos com tecnologia molecular e suas vantagens

Como os produtos com tecnologia molecular estão se mostrando promissores no tratamento contra o envelhecimento da pele

Até algumas décadas atrás, a indústria da beleza não se atentava muito à ciência. Barbara Gilchrest, uma dermatologista do Massachusetts General Hospital, em Boston, sugere que como os consumidores tinham receio e não eram interessados em ciência, as companhias cosméticas não queriam esse tipo de termo associado aos seus produtos. Felizmente isso tem mudado, já que descobertas derivadas do Projeto Genoma Humano demonstraram que algumas das maiores queixas relatadas por consumidores de produtos cosméticos, tais como o envelhecimento da pele, poderiam estar associadas ao DNA.

Durante a última década, as empresas cosméticas têm investido bastante em estudos moleculares e genéticos acerca do envelhecimento da pele, buscando por formas de interrompê-lo, o que tem causado um verdadeiro frenesi por produtos cosméticos com tecnologia molecular.

 

Técnicas moleculares de beleza para amenizar o envelhecimento da pele

Conforme a pele começa a envelhecer, o colágeno – molécula essencial para manter uma pele jovem e saudável – começa a se fragmentar. Além disso, células dermais chamadas fibroblastos, que têm como função a produção de colágeno, passam a não produzir muito. Como consequência, temos a formação das temidas rugas, pigmentação diferenciada e a flacidez da pele.

 

1. Tretinoína

O primeiro produto cosmético com tecnologia molecular que demonstrou tratar as rugas foi o creme derivado de vitamina A (tretinoína), que era comercializado sob o nome de Retin-A. Esse creme foi desenvolvido para o tratamento da acne, porém logo que foi notada a sua ação como amenizador de rugas, o creme passou a ser receitado pelos médicos para o tratamento das mesmas. Pesquisadores descobriram que a tretinoína estimula os fibroblastos a produzirem o precursor do colágeno (o pró-colágeno), e dá suporte à matriz extracelular, evitando também os danos causados pela exposição ao ultravioleta.

 

2. Luz intensa pulsada (broadband light)

Estudos realizados por Anne Lynn S. Chang, uma dermatologista da Universidade de Medicina de Stanford, na Califórnia, sobre a administração de luz intensa pulsada (broadband light, ou BBL) mostram que, apesar de ter sido aprovada pela US Food and Drug Administration para tratar descoloração da pele, ela também é muito eficaz para o rejuvenescimento da pele, e portanto tem sido recomendada para tal uso. Apesar de não ser exatamente um produto cosmético com tecnologia molecular, foi descoberto que quando a BBL era administrada em pessoas que possuíam sérios danos causados pelo sol, mais da metade dos genes cujas expressões tinham sido alteradas pela idade foram restaurados a níveis de expressão similar ao daqueles apresentados pela pele de pessoas mais jovens.

 

3. Preenchedores dermais (ácido hialurônico)

Frank Wang, da Universidade de Michigan, em Ann Arbor, pesquisou sobre os efeitos dos preenchedores dermais, especificamente do ácido hialurônico, e descobriu que, apesar de antigamente se achar que esses preenchedores tinham efeito de redução de rugas e diminuição da flacidez da pele apenas porque adicionavam volume à pele, na verdade, esses efeitos são muito mais profundos, pois as injeções de ácido hialurônico (uma molécula essencial na matriz extracelular dermal) aumenta as produções gênicas e a expressão da proteína de colágeno tipo I (que é o tipo mais abundante de colágeno na pele humana). Em explorações mais profundas sobre o assunto, eles relataram que esse preenchedor ativa os fibroblastos dermais e os estica, devido à promoção de um suporte estrutural à matriz extracelular. Esse esticamento ativa uma via de sinalização que estimula a pele a aumentar sua própria produção de colágeno. Esse colágeno produzido tem durabilidade de muitos anos, e, portanto, esse tratamento possui efeito a longo-prazo.

 

Produtos cada vez mais especializados

Foi relatado por pesquisadores no Congresso Mundial de Dermatologia que existem padrões distintos de atividade gênica que são característicos de cada década (de idade), assim como existem padrões de expressão gênica em pessoas cujas peles envelheceram especialmente bem ou mal. O estudo revelou que o tempo e os padrões de tais mudanças moleculares correspondiam a alterações amplamente conhecidas relacionadas à idade, como por exemplo:

  • a flacidez das células começa a aparecer por volta dos 40 anos;
  • a habilidade de manter os níveis de hidratação normais começa a falhar por volta dos 50 anos.

Com esses dados, é possível que sejam desenvolvidos produtos cosméticos com tecnologia molecular específicos para pessoas de cada década de faixa etária.

Uma universidade americana desenvolveu estudos mais ousados, com a ideia de lojas especializadas em produtos cosméticos com tecnologia molecular baseados no DNA de cada pessoa, ou seja, testes de DNA seriam realizados e os produtos seriam desenvolvidos dependendo da produção de colágeno, taxa de degradação do colágeno, ou mesmo a capacidade da pele de combater o estresse oxidativo. Os pacientes que utilizaram tais produtos obtiveram melhoras de 24-29% na redução das rugas. Apesar desses resultados serem animadores, eles ainda não foram publicados e as empresas não acataram muito essa ideia.
Os produtos cosméticos com tecnologia molecular são uma área promissora no mercado cosmético, pois oferecem resultados bastante animadores, apesar de seu alto custo. E você, gostaria de um produto especializado nas especificações do seu DNA?

 

 

Você gostou desse artigo?

Espero que sim e estou ansioso para saber a sua opinião sobre esse assunto. Aguardo seu comentário, hein?!  

O objetivo desse artigo é contribuir para a elevação do nível técnico de profissionais da área. Para qualquer orientação procure sempre um profissional habilitado como um dermatologista ou farmacêutico.

 

Referência:
Katsnelson, A. [Cosmetics: Molecular beauty.] nature 526 International Journal of Science. October 2015.