3 simples dicas para a escolha correta do conservante

escolha-correta-do-conservante

Ao definir as suas matérias-primas, você tem dado atenção à escolha correta do conservante?

Como o assunto é seleção de matérias-primas para a formulação, é importante destacar que o cuidado deve ser redobrado sobre a definição do conservante. Profissionais responsáveis por formulações cosméticas sabem bem que esses componentes são os principais causadores de reações alérgicas e sensibilizantes na pele.

Leia as 3 simples dicas abaixo sobre como escolher corretamente o seu conservante.

 

1. Deve ser eficaz

Certifique-se que o conservante escolhido apresente proteção em relação aos principais microorganismos que podem afetar a formulação. É muito importante que ele atue contra bactérias, fungos e leveduras, promovendo assim um amplo espectro de proteção. Isso é fundamental para aumentar a vida útil do produto. A eficácia, além de evitar perda de tempo e dinheiro, garante a segurança de uso.

 

 

2. Deve ser seguro

Verifique se as moléculas que o compõem são seguras e se há testes que comprovem isso. Estudos revelam que os conservantes citados como mais irritantes ou sensibilizantes são:

  • quatérnio-15;
  • imidazolidinil ureia;
  • metilisotiazolinona;
  • parabenos.

Vermelhidão no local de aplicação, ardor, coceira ou prurido são sinais claros de que algo está errado e de que o conservante age de modo agressivo.

 

3. Deve ser suave

Certifique-se também que não arda na pele quando aplicado.

É muito comum encontrar conservantes que, quando em contato com a pele, promovam ardência. O ideal é que esse componente não provoque qualquer desconforto e nem interfira no sensorial da formulação.

 

Pronto!  Siga essas 3 dicas e acerte na escolha do seu conservante.

 

E você?

Já vivenciou alguma experiência problemática relacionada ao uso de conservantes? Compartilhe com a nossa comunidade técnica comentando abaixo.
Agora é hora de promover esse conhecimento: compartilhe com seus amigos.